São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Julho 14, 2017 - 23:25

Única cogitada, empresa desiste de receber área em Taubaté

Uma empresa a menos. Vista do Distrito Industrial de Taubaté

Uma empresa a menos. Vista do Distrito Industrial de Taubaté

Foto: /Arquivo/OVALE

Multinacional Bontaz negociava com o governo Ortiz desde janeiro, mas avalia que prefeitura demorou; Pindamonhangaba foi mais rápida e garantiu o investimento

Da redaçã[email protected]
Taubaté

O que já era pouco, acabou.

A multinacional Bontaz, que seria beneficiada com o único projeto de doação de área enviado pelo governo Ortiz Junior (PSDB) à Câmara no primeiro semestre, anunciou que não pretende mais se instalar em Taubaté.

O motivo: a empresa, que fornece componentes hidráulicos para montadoras, avalia que a prefeitura demorou demais para analisar o pedido.

A Bontaz, que funciona em um galpão alugado em Pindamonhangaba, pretende se expandir e, para isso, quer uma área maior. Em janeiro, a empresa deu entrada com dois pedidos de doação de área: um em Taubaté e outro em Pinda.

A preferência da multinacional era por Taubaté, e a promessa era de que até março tudo estaria resolvido. Mas o projeto só foi enviado à Câmara no dia 20 de junho. Com o recesso, não será votado antes de agosto. Nesse intervalo, Pinda foi mais rápida e acertou uma nova área para a Bontaz. "Demorou demais, principalmente na prefeitura [de Taubaté]", afirmou o diretor da empresa, Rui Ribeiro. "Estávamos em maio e a prefeitura [de Taubaté] ainda não sabia qual era o valor venal do terreno, e por isso não podia avançar na doação".

A área que a empresa receberia fica no Distrito Industrial do Una 1. A previsão era gerar 30 empregos diretos, investir R$ 3,5 milhões e faturar R$ 4,5 milhões anualmente.

Procurado, o governo Ortiz alegou apenas que "considera que o processo tenha respeitado os prazos e trâmites legais".

No primeiro mandato do tucano, a atuação da pasta de Desenvolvimento e Inovação - especialmente do secretário, Geraldo de Oliveira Neto - foi bastante criticada. Entre 2013 e 2015, a política de atração de investimentos foi tímida. Em 2016, em ritmo pré-eleitoral, foi anunciada a vinda de 17 grupos e a geração de 2.500 empregos. Um ano depois, apenas uma das empresas se instalou na cidade.

De 2013 a 2016, Taubaté encerrou 12.028 postos de trabalho. O governo Ortiz diz negociar doações de área com outras 18 empresas, e alega que a crise econômica tem dificultado investimentos..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO