São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Agosto 30, 2017 - 23:55

Justiça pede perícia em licitação feita pela FDE que envolve Ortiz

Clã Ortiz. Filho e pai comemoram a vítória na eleição de 2012

Clã Ortiz. Filho e pai comemoram a vítória na eleição de 2012

Foto: /Arquivo/OVALE

Certame para compra de mochilas é o bojo da ação em que o Ministério Público denunciou Ortiz Junior e José Bernardo Ortiz por improbidade administrativa

Julio [email protected]
Taubaté

A 14ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo determinou a produção de provas periciais para apurar se houve fraude em uma licitação realizada em 2011 pela FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação) para a compra de mochilas escolares.

Esse certame é o bojo da ação em que o Ministério Público denunciou o prefeito de Taubaté, Ortiz Junior (PSDB), o pai dele, o ex-prefeito José Bernardo Ortiz (PSDB), e três empresas por improbidade administrativa.

Um dos questionamentos que a perícia deve responder é se houve ou não superfaturamento na licitação.

Com base em análise da contabilidade das empresas envolvidas, a perícia também deve avaliar se as especificações das mochilas de cada lote justificam a diferença de preço entre eles.

No despacho que determinou a realização da perícia, o juiz Randolfo Ferraz de Campos determina prazo de 60 dias para elaboração do laudo, a contar do início dos trabalhos.

O magistrado também citou que irá marcar uma audiência para a produção de provas testemunhais.

Segundo a denúncia, Ortiz Junior facilitou a atuação de um cartel de empresas para fraudar licitações da FDE, que na época era presidida por Bernardo Ortiz.

Em troca, as empresas pagariam 5% dos valores dos contratos em propina, que abasteceria a campanha de Ortiz Junior a prefeito em 2012.

O contrato das mochilas custou R$ 34,92 milhões. Somente nele, a propina seria de R$ 1,74 milhão.

A ação foi proposta em setembro de 2012. No mês seguinte, a Justiça determinou o bloqueio dos bens dos réus, que negam as acusações.

Essa ação deu origem a diversos processos e investigações contra Ortiz Junior, nas esferas criminal e eleitoral.

Em uma dessas ações, o prefeito chegou a ter o mandato cassado nas três instâncias da Justiça Eleitoral, mas conseguiu reverter a decisão em um último recurso. No julgamento, a maioria dos ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) avaliou não ter ficado comprovado que o dinheiro de propina da FDE abasteceu a campanha de 2012..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO