São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Brasil
Setembro 11, 2017 - 22:59

Brasileiros vivem drama em meio ao rastro de destruição do furacão Irma

Furacão Irma

FENÔMENO. Cidades da Flórida amanhecem sem energia e devastadas com rastros deixados pelo Irma.

Foto: /Divulgação

Inundações, queda de árvores e imóveis danificados refletem passagem do furacão Irma pela Flórida, a maior tempestade já registrada no Atlântico; joseense tem voo de volta cancelado e remarcado para semana que vem

Danilo [email protected]_
São José dos Campos

A passagem do furacão Irma pela Flórida deixou rastros de destruição pelas cidades do estado norte-americano. Em Orlando, a devastação provocada pela tempestade, durante a madrugada desta segunda, deixou cerca de 75% dos moradores sem luz.

"Os estragos foram maiores do que se esperava. Ruas alagadas, muitas árvores e galhos caíram, placas de trânsito derrubadas no chão. Onde eu moro, foi relativamente tranquilo. Têm lugares da cidade que foram mais afetados, com inundações até a altura do peito", disse o estudante brasileiro Pedro Zandonai, de Orlando.

Ele conta que se surpreendeu com a organização das autoridades americanas que preparam as pessoas para a chegada do furacão.

"A experiência foi interessante, não é todo dia que passa um furacão. É assustador porém interessante, especialmente pela organização do pessoal aqui. O governo faz um bom trabalho para preparar os moradores", disse ele que recebeu um alerta de 'toque de recolher' das autoridades até 18 horas desta segunda.

O venezuelano Reynaldo Martz, dono de uma empresa de transportes na Flórida, usou as redes sociais para tranquilizar parentes na Venezuela. Durante os dias que antecederam a tempestade, ele fez vídeos e atualizou as informações no Facebook.

VOOS CANCELADOS.

A dentista joseense Patrícia Rossi Marreco, de 48 anos, teve seu voo de retorno ao Brasil cancelado um dia antes da viagem, prevista para o dia 9 de setembro, mesmo dia em que o aeroporto de Orlando foi fechado por causa do Furacão.

"Recebi o comunicado da Latam por e-mail e só consegui remarcar o meu voo de retorno para uma semana depois", disse. Patrícia contou que entrou em desespero pois, não conseguiu estender a diária do hotel até a nova data do voo e nem encontrar outro hotel para se hospedar.

"A minha sorte foi que eu consegui me abrigar na casa de uns amigos, mas o adiamento da viagem me fez perder dias de trabalho e meu marido uma audiência na justiça". A filha de 8 anos, que foi com os pais para conhecer os parques da Disney, em Orlando, também está perdendo aulas na escola em São José.

Estudante joseense relata que Texas ainda sente sequelas do furacão Harvey

O furacão Harvey que atingiu o Texas há mais de duas semanas ainda deixa sequelas no estado americano. A joseense Mila Aquino, de 23 anos, que estuda em Houston, um dos principais alvos da tempestade, se propôs a fazer trabalhos voluntários para ajudar as vítimas.

De acordo com ela, a cidade vem se recuperando lentamente, porém muitas pessoas continuam desabrigadas.

"Estou indo esporadicamente no abrigo porque minhas aulas começaram e eu tive que diminuir a frequência. Vou nesta sexta e sábado. A situação melhorou um pouco aqui, mas ainda está difícil. Como os reservatórios estavam cheios e eles tiveram que abrir, muitas casas ficaram inundadas. O trânsito está horrível porque tem muitas rodovias fechadas. O abrigo que eu estou vai ficar até novembro aberto", disse a estudante.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO