São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Outubro 10, 2017 - 23:22

 A saúde pede socorro

Dados oficiais mostram que Secretaria de Saúde precisa de atuação mais firme da gestão Felicio Ramuth (PSDB)


O governo Felício Ramuth (PSDB) entregou ao PMDB o comando da Secretaria de Saúde de São José dos Campos, pasta com o maior orçamento da prefeitura e, historicamente, a mais complexa e problemática de todas. 

Para comandá-la, escalou o médico peemedebista Oswaldo Huruta, que raramente fala em nome da Secretaria de Saúde. Quem idealiza projetos e dá entrevista em nome da pasta é o vice-prefeito Ricardo Nakagawa (PMDB), que inclusive montou seu gabinete na sede da Saúde.

Essa confusão político-administrativa fica mais visível a cada dia, principalmente quando os programas fracassam e as estatísticas são desfavoráveis à atual gestão. Basta lembrar da crise ocorrida na implantação da Farmácia Central e do fracasso na contratação de 110 mil consultas médicas.

No último dia 29 de setembro, o Comus (Conselho Municipal de Saúde) recebeu dados sobre os atendimentos no município nos dois primeiros quadrimestres deste ano.

As informações, do DataSus, sistema do Ministério da Saúde, foram apresentadas por integrantes da própria Secretaria de Saúde. E são, em sua maioria, negativos. No encontro, a administração reconheceu o problema.

Consultas? Foram 86.365 a menos no comparativo entre janeiro e agosto de 2016 e 2017. Cirurgias? Foram 9.144 a menos neste mesmo período.

Questionada pela reportagem, entretanto, a Secretaria de Saúde apresentou um cálculo paralelo. Amplamente favorável ao governo. Manteve o número do DataSus para 2016, mas inflou os dados de 2017.

O que pretende a Prefeitura de São José? Mal sabe que o resultado de verdade vai além de planilhas e é diagnosticado pela população nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e hospitais municipais. A promessa de melhorar, até o momento, não se concretizou. E olha que a referência era o governo Carlinhos Almeida (PT), extremamente contestado pela população.

Seria mais conveniente o prefeito resolver as questões partidárias da Secretaria de Saúde e, quem sabe assim, entregar o que prometeu em campanha.

PS.: Em homenagem ao Dia das Crianças, repórteres de OVALE assinam hoje e amanhã suas matérias com fotos de infância. Confira!.

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO