São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Outubro 16, 2017 - 23:34

A BOLA COM A CÂMARA

Plenário da Câmara de São José decide hoje se abre Comissão Processante contra Maninho Cem Por Cento


Seis meses após ser revelado por OVALE, o 'Caso Maninho' será discutido pelo plenário da Câmara de São José dos Campos. A Comissão de Ética da Casa definiu, no início da noite desta segunda-feira, que os vereadores é que irão decidir sobre a abertura ou não de uma Comissão Processante contra Maninho Cem Por Cento (PTB).

A expectativa é que o presidente da Câmara, Juvenil Silvério (PSDB), leve hoje o caso para apreciação dos outros 20 parlamentares. Se o relatório da Comissão de Ética foi aprovado pela maioria, três nomes serão sorteados para compor a Comissão Processante, responsável por definir o futuro político de Maninho. 

Trata-se de um avanço. O Ministério Público, que já investigou o caso, ajuizou ação civil contra o vereador por improbidade administrativa. O processo foi ajuizado pela promotora Ana Cristina Ioriatti Chami, da 7ª Promotoria de Justiça.

Maninho é acusado de colocar assessor de seu gabinete para trabalhar exclusivamente no balcão de anúncios do Jornal Comunidade, mantido pelo vereador na região da Vila Industrial, região leste de São José dos Campos.

O MP pede julgamento de procedência da ação, ressarcimento integral do dano ao erário e suspensão dos direitos políticos do parlamentar. 

"A atuação investigativa do valoroso jornal OVALE comprovou que o assessor Elcio [Alves de Souza] 'batia o ponto' na Câmara de Vereadores e seguia incontinenti para cumprir o expediente/jornada de trabalho junto à banca de anúncios para venda de espaços publicitários do 'jornal comunitário' criado pelo réu e por ele gerido por mais de 10 anos", disse Ana Chami no documento.

Enquanto o MP já apurou a questão, o Legislativo ainda vai decidir se investiga ou não. Prova de que o tempo da política nem sempre segue os anseios da sociedade, que deseja transparência de seus representantes.

De qualquer forma, o destino de Maninho na Câmara será político, diferentemente do caminho do Judiciário. Se aprovada, e dependendo dos sorteados, a Comissão Processante levará em conta detalhes que pouco interessam ao juiz, o que é reprovável.

Mais que provas, interessam as alianças políticas. Neste contexto, portanto, é possível que o Legislativo aplique pena mais branda ao vereador. A sociedade precisa ficar atenta e cobrar..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO