São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Nossa Região
Outubro 12, 2017 - 00:13

Taubaté e Caraguá no 'top 10' da violência contra os adolescentes

Combate ao crime

Violência. Envolvimento de adolescentes com o crime é uma das preocupações na segurança do Vale

Foto: /Rogério Marques/ OVALE

Municípios da região estão entre as 10 cidades de São Paulo, com mais de 100 mil habitantes, que têm as maiores taxas de adolescentes assassinados no Estado; o levantamento é realizado anualmente pelo Unicef, desde 2005

Xandu [email protected]
Taubaté

Taubaté e Caraguatatuba estão entre os 10 municípios de São Paulo, com mais de 100 mil habitantes, que têm as maiores taxas de adolescentes assassinados do Estado.

Caraguatatuba é o terceiro da lista e Taubaté, o nono. O ranking traz no total 76 cidades paulistas.

O estudo leva em conta o IHA (Índice de Homicídios na Adolescência), análise coordenada pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em parceria com o Ministério dos Direitos Humanos do Brasil, o Observatório de Favelas e o Laboratório de Análise da Violência, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Ao todo, o IHA (Índice de Homicídios na Adolescência) engloba os 300 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes e se baseia nos dados de 2014 do Sistema de Informação sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde. São os dados mais recentes.

Caraguatatuba aparece com 2,73 adolescentes entre 12 e 18 anos assassinados para cada grupo de 1.000 jovens. A cidade reduziu em 31,58% a taxa na comparação com o estudo anterior, de 2013, quando tinha 3,99.

Taubaté tem taxa de 2,16 adolescentes mortos, o que representa um aumento de 11,34% ante o levantamento anterior, com 1,94.

Para os autores do estudo, divulgado nesta semana, cidades com taxa acima de 1 revelam uma "sociedade violenta" para os jovens.

Taubaté age na prevenção e no suporte ao jovem para evitar violência e drogas

A Prefeitura de Taubaté disse que desenvolve "diversos programas sociais, educativos e esportivos" para evitar o envolvimento de adolescentes na violência. Um deles é o "Crack é Possível Vencer". Há ainda 'consultório de rua', atendimento à dependência química, programas esportivos e escola de tempo integral. Caraguá não comentou..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO