São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Nossa Região
Outubro 12, 2017 - 23:19

Todos os caminhos da fé levam os fiéis para a 'casa da Mãe'

Festa dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida

Festa dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida

Foto: Rogério Marques / OVALE

Aparecida se enche de peregrinos de todo o país para celebrar os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora, a padroeira

Xandu [email protected]
Aparecida

Claudionor Oliveira, de 60 anos, reza 1.000 ave-marias todos os anos que peregrina ao Santuário Nacional de Aparecida, para cumprir promessa e pedir bênçãos.

Ele caminha 40 quilômetros levando uma cruz presa a um bastão de metal e à bandeira do Brasil. "Peço reparação por todo mal que fazemos uns aos outros", diz Oliveira, segurando um rosário e chorando. "Não podemos tirar Maria do plano de Deus. Ela é nossa mãe".

Natural de Magé, na região metropolitana do Rio de Janeiro, Uelington Andrade, 34 anos, percorre de joelhos duas vezes a passarela que liga a Basílica ao centro de Aparecida. Ele paga promessa. Nas costas, desde 2015, uma imensa imagem tatuada de Nossa Senhora Aparecida e de um rosário revelam a devoção dele pela 'Santa do Povo' e Padroeira do Brasil.

"A fé dele inspira toda a família", conta a filha Yasmin Andrade, de 13 anos, que segue caminhando ao lado do pai devoto. "Ele se sente bem fazendo esse esforço por Nossa Senhora".

Aos 80 anos, Luzia Sampaio completa 20 anos de peregrinação a Aparecida. Faz questão de trazer "dois ou três" parentes ou amigos que não podem arcar com a viagem desde Maringá (PR). Ela paga para eles.

"É um jeito de fazer a fé em Nossa Senhora Aparecida crescer cada vez mais. Isso só nos faz bem".

CADEIRA.

Após quebrar a perna, Luzia necessita de uma cadeira com rodas para descansar. "Vou empurrando a cadeira e quando canso, eu sento. A fé em Nossa Senhora Aparecida renova a força da gente. Vou vir sempre que puder".

Maria Fernanda Horácio, 12 anos, veste-se com o manto e as roupas para emular a imagem de Nossa Senhora encontrada no rio Paraíba, em 1717.

Ela veio com a mãe, a professora Josane de Faria, 47 anos, de Poços de Caldas (MG) até Aparecida.

"Vou deixar a roupa aqui na Basílica. É a primeira vez que venho e estou me sentindo muito bem. É um sentimento bonito", conta a garota, cuja romaria criada pela bisavó completa 60 anos, em 2017.

"A devoção em Nossa Senhora Aparecida passa de mãe para filha na nossa família. É uma tradição", diz Josane.

SANTA.

Neste 12 de outubro, todas as histórias levam a Aparecida.

A cidade se encheu de peregrinos de todo o país - e até do exterior - para celebrar os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida. A festa durou três dias e teve seu ápice nesta quinta-feira, feriado nacional.

A estimativa do Santuário Nacional era de que 200 mil pessoas passassem pela cidade ao longo do dia, que começou ainda de madrugada com a chegada de milhares de ônibus com romeiros de todo país -- são 6.152 vagas para veículos dentro da Basílica, incluindo coletivos, carros, motocicletas e bicicletas.

MISSA.

A missa solene do tricentenário de Nossa Senhora Aparecida começou pontualmente às 9h30, presidida pelo enviado especial do Vaticano, o cardeal italiano Giovanni Battista Re, representante do papa Francisco na cerimônia.

Em um palco montado na tribuna Bento 16, do lado de fora da Basílica, o cardeal comandou a missa que contou com orquestra e coral.

Celebraram ao lado dele o núncio apostólico (espécie de embaixador do Vaticano) dom Giovanni d'Aniello, o arcebispo de Aparecida, dom Orlando Brandes, e o arcebispo emérito de Aparecida, cardeal dom Raymundo Damasceno Assis.

"É um momento íntimo, neste Santuário Mariano sente-se pulsar o coração católico do Brasil e a devoção a virgem Aparecida. É uma devoção profundamente enraizada e transmitida de geração em geração como uma chama sempre acesa no coração das pessoas, ao longo desses 300 anos", disse dom Giovanni Re.

Ele lembrou ainda os fiéis que procuram consolo em Nossa Senhora: "Guerreira, ela conhece nossas aflições".

Nossa Senhora ganha nova coroa de ouro, selo dos Correios e atos de sacrifício e de devoção de peregrinos do Vale do Paraíba

A Via Dutra transformou-se em uma avenida para mais de 8.000 peregrinos que caminharam, na madrugada desta quinta-feira, em direção ao Santuário Nacional.

A maioria saiu de cidades do Vale do Paraíba. O topógrafo Adriano Santos, 29 anos, veio de bicicleta com os amigos do grupo 'Guerreiros da Trilha', da zona leste de São José.

Eles pedalaram quase 100 quilômetros para rezar aos pés da santa. Na Basílica, deixaram uma imagem de Nossa Senhora dentro de uma redoma de vidro, onde estava escrito o nome de cada integrante do grupo.

"Foram quase cinco horas de pedalada pela Dutra. Não é fácil, mas vale a pena. A sensação de chegar aqui é muito boa", diz ele.

Sacrifício e devoção são 'presentes' que Nossa Senhora ganha a cada minuto no Santuário Nacional. Na festa dos 300 anos, porém, ela ganhou outras lembranças da fé dos brasileiros.

A imagem encontrada nas águas do rio Paraíba em 1717, que fica guardada em um nicho especial na Basílica, ganhou uma nova coroa de ouro. Durante nove meses, essa coroa recebeu porções de terra de todos os estados do Brasil. A coroação ocorreu após a missa solene, às 11h30.

Os Correios também lançaram um selo em comemoração aos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, que foi lançado também ao final da missa..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO