São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Nossa Região
Outubro 12, 2017 - 20:38

Santuário 'alfineta' Temer por ausência em comemoração

Mensagem do papa Francisco para os fieis em Aparecida

Mensagem do papa Francisco para os fieis em Aparecida

Foto: Rogério Marques / OVALE

Caíque Toledo
Aparecida

O reitor do Santuário Nacional de Aparecida, padre João Batista de Almeida, alfinetou o presidente Michel Temer (PMDB), que, apesar de convidado, não compareceu à Basília nesta quinta-feira, na comemoração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Questionado se a ausência de autoridades foi sentida no evento, o religioso afirmou que convites foram enviados, mas desconversou na hora de opinar. "Se eu fosse o presidente, eu viria [risos]. De repente os assessores não o atentaram para isso, mas a gente respeita", afirmou o reitor.

"Nós convidamos [o presidente Michel Temer (PMDB) e outras autoridades], mas não é tradição. Diferente de outros Santuários, que talvez tenham uma situação mais local, regional, parece que estão mais presentes", disse.

Três autoridades estiveram presentes e tiveram suas presenças anunciadas: o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e dois ministros do governo Temer, Gilberto Kassab (PSB), da Ciência e Tecnologia, e Antonio Imbassahy (PSDB), da Casa Civil.

"O Santuário está sempre de portas abertas para qualquer um, pessoas de outras igrejas, religiões. Não é tradição, a não ser o governador, mas autoridades são bem-vindas", disse.

PAPADO.

Durante a missa solene, foi exibida uma mensagem do papa Francisco, gravada direto do Vaticano. Quatro anos atrás, o pontífice havia prometido vir a Aparecida neste ano, mas, alegando dificuldades em conciliar a agenda, não fez a viagem.

Em sua mensagem, o papa afirmou que o Brasil precisa de pessoas de esperança e fé para combater 'o egoísmo e a corrupção'. O reitor do Santuário foi questionado se o atual momento político do país pesou na decisão do líder religioso, mas negou a questão. "A razão [para o papa não vir] é apenas pastoral. Uma viagem ao Brasil custaria ao menos uma semana, e ele está em período de muitos encontros com bispos", disse.

"Quando ele veio, ele estava recém papa, tinha acabado de assumir o papado. No calor do entusiasmo do brasileiro, ele fez uma afirmação. Quando fomos até Roma levar Nossa Senhora ele já dizia 'sei que falei, mas não sei se vou poder'. Já dava sinais que talvez não viesse", completou o padre João Batista de Almeida.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO