São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Novembro 25, 2017 - 01:04

SALDO INSUFICIENTE

Número de policiais enviados à RMVale é insignificante para resolver os graves problemas da segurança pública


O investimento estadual em segurança pública, nos últimos sete anos, será um dos trunfos do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na eleição de 2018. O tucano, possível candidato a presidente, vai usar números para mostrar os avanços nesta área.

Uma prévia desse discurso foi dada no início do mês, em evento de nomeação de 1.240 policiais civis na capital.

"São Paulo hoje é o único estado do Brasil com índice de homicídio abaixo de 10 por 100 mil habitantes, como recomenda a ONU (Organização das Nações Unidas). Isso é resultado do trabalho integrado das polícias, incluindo a judiciária, que agora ganha novo impulso com a nomeação de 1.240 novos policiais", disse.

A RMVale, no entanto, vai na contramão desse discurso, como mostra matéria deste fim de semana assinada pelo repórter Danilo Alvim.

A região mais violenta de São Paulo, berço político do governador, recebeu apenas 598 dos 31.957 novos policiais contratados pela Secretaria de Segurança Pública entre os anos de 2011 e 2017. O período coincide com o mandato de Alckmin. Esse dado equivale a 1,8% do reforço total.

O Vale recebeu 272 PMs, 196 policiais civis, 85 técnicos científicos e 45 bombeiros, segundo os dados oficiais do governo estadual.

Este saldo cobre, no máximo, as vagas abertas após as aposentadorias. Ou seja, reforço numérico no combate ao crime praticamente não houve.

Esse fato ajuda a explicar a liderança da RMVale no ranking de homicídios. São 14,76 vítimas a cada 100 mil habitantes, enquanto a média paulista é de 8,24 e da capital é 6,69.

Alckmin, em visita ao Vale neste ano, havia dito que a região teria prioridade na distribuição de policiais. Ao que tudo indica, não passou de discurso. Em outubro deste ano, por exemplo, o governador disse, na Baixada Santista, que aquela região teria prioridade.

Entre números e promessas, o cidadão vive enclausurado em casa e cada vez mais amedrontado. A mudança dessa realidade depende de inúmeros fatores, mas um deles certamente passa pelo reforço no efetivo policial. E, neste ponto, o Vale do Paraíba segura a lanterninha..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO