São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Dezembro 21, 2017 - 23:59

NUVEM DE INCERTEZA

Bases da negociação entre Boing e Embraer, mesmo que desconhecidas, criaram clima de dúvida e insegurança


Uma notícia que pegou a região de surpresa e agitou o mercado neste fim de ano. Embraer e Boeing informaram ontem que estão em tratativas a respeito de uma possível fusão. As bases da negociação, mesmo que desconhecidas, criaram uma nuvem de incerteza no país e na RMVale, onde está sediada a empresa de aviação.

O presidente Michel Temer (PMDB) teria dito que aprova todo tipo de negociação, mas vetará qualquer mudança no controle acionário da empresa de São José dos Campos. O Sindicato dos Metalúrgicos foi mais incisivo e repudiou uma possível venda da Embraer.

Fato é que, até o momento, os termos da negociação não são de conhecimento público. Qualquer posicionamento, portanto, é pura especulação. De qualquer forma, é preciso acompanhar de perto a movimentação das empresas.

Uma possível fusão, do ponto de vista tecnológico, pode ser benéfica. Mas, dependendo das bases acordadas, a poderosa Boing pode absorver a Embraer lentamente, até que todo o conhecimento produzido em solo brasileiro seja transferido para a estrutura montada nos Estados Unidos.

Desenvolvimento de aviões é um conhecimento bastante específico, diferentemente, por exemplo, do setor automotivo. É estratégico para o Brasil. A transferência do Departamento de Pesquisa, que a Embraer mantém por aqui, representaria uma perda gigantesca. Em São José, são criados jatos de última geração e cargueiros para o setor militar. Um deles, o KC-390, que estampou a capa da edição de ontem de OVALE, é uma prova disso.

Outro ponto importante a ser considerado são os empregos. São 16 mil trabalhadores, a maioria na sede em São José.

A apreensão com notícia do The Wall Street Journal, divulgada ontem, ocorre principalmente porque a publicação aponta que a companhia norte-americana pretende assumir o controle da Embraer. A brasileira receberia um ágio relativamente alto pelo negócio.

O comunicado das empresas, por outro lado, fala em "potencial combinação". "Não há garantias de que estas discussões resultarão em uma transação. Boeing e Embraer não pretendem fazer comentários adicionais a respeito das discussões", diz o texto.

Até que se conheça as bases dessa tratativa, tudo ficará no campo da projeção. Mas é bom ficar de olho..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO