São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Janeiro 11, 2018 - 23:41

MORREU COMO SOLDADO

Morte do policial militar Leonardo Assunção, de 29 anos, comove todo o Vale e nos lembra da importância do dever


Após 34 anos no Exército, o experiente capitão travou a batalha mais dura de sua vida nesta quinta-feira. Uma guerra particular, que luta de maneira atroz nas trincheiras da alma. O militar, que já havia participado de aproximadamente 20 operações de resgate ao longo de sua carreira, teve como sua última missão participar das buscas pelo filho, o soldado da Polícia Militar Leonardo Assunção, 29 anos, que havia desaparecido no Paraíba na tarde da última terça-feira, durante uma perseguição na zona norte de São José dos Campos a um suspeito de tráfico -- que também sumiu nas águas turvas do rio. Ao avistar o corpo do filho, localizado na altura da Vila Cristina, o pai o abraçou. Depois, emocionado, ele enviou um áudio aos amigos para agradecer as orações.

'Participo da resgate desde a época de soldado, mais de 20, talvez, e Deus quis que minha última missão fosse resgatar meu filho e assim fiz, estou levando ele para casa. Queria um motivo para ir para reserva, talvez esse seja o motivo. Acho que cumpri minha última missão", disse o pai em um trecho da mensagem de áudio.

A morte comoveu a RMVale. 'Encontrei meu filho. Infelizmente o rio Paraíba venceu a briga, mas tiramos ele d'água, dei um abraço nele. Minha esposa pediu e eu abracei meu filho', diz um outro trecho.

O policial, integrante do Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia), estava havia cinco anos na corporação, para quem fazia juras de amor nas redes sociais, e vinha de uma família de militares -- além do pai, também tem um irmão na ativa.

Em uma postagem recente, feita no seu perfil no Facebook, Leonardo postou uma foto do Baep e a seguinte legenda: 'És a nobre infantaria, das armas a rainha, por ti daria a vida minha', canção da Infantaria do Exército Brasileiro.

O soldado do Baep morreu no cumprimento do dever, amava sua profissão -- que tem como sua função proteger e servir ao cidadão. Um exemplo digno em tempos nebulosos, em que nosso país vive uma grave e profunda crise ética, sem precedentes. Na RMVale, que é a região mais violenta de São Paulo, a imensa maioria das tropas luta incansavelmente contra a criminalidade produzida pela miséria e questões sociais, enxugando gelo e driblando a falta de estrutura e recursos de todos os tipos.

Os bons exemplos devem ser valorizados.

A cobertura de OVALE mostrou que é possível informar, em primeira mão, aliando precisão, exatidão jornalística e a sensibilidade, a capacidade de emocionar, de tocar o leitor.

No trecho final da mensagem de áudio enviada aos seus amigos, o pai de Leonardo ainda acrescentou: 'são poucos pais que tem a honra de ver o filho sendo homenageado pela presença de mais de 100 militares de todas as forças. Muitos pais perdem o filho para a droga, mas Deus me deu essa honra de ver meu filho morrer no cumprimento do dever. Um verdadeiro soldado'..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO