São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Janeiro 05, 2018 - 23:48

Corrida pelo governo de São Paulo divide os 39 prefeitos da RMVale

Felicio e Floriano

Parceria. Felicio Ramuth e Floriano Pesaro durante assinatura de um convênio no Paço, em São José

Foto: Claudio Vieira/PMSJC

No tabuleiro político da região, gestores se dividem entre apoiar a candidatura do vice-governador Márcio França (PSB) ou dos tucanos José Serra, João Dória e Floriano Pesaro; Alckmin defende nome consensual

João Paulo [email protected]

O apoio unânime dos 39 prefeitos da RMVale à candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à presidência da República, em outubro deste ano, não se reflete na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes. Na região, gestores se dividem entre apoiar a empreitada do vice-governador Márcio França (PSB) ou os tucanos José Serra, João Dória e Floriano Pesaro.

Nos bastidores, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) trabalha para selar apoio a um nome de consenso, mas a missão esbarra no tabuleiro partidário do Vale.

Os cinco prefeitos do PSB (Guaratinguetá, Tremembé, Cunha, Piquete e Monteiro Lobato) irão apoiar França.

No grupo tucano, formado por 14 prefeitos eleitos em 2016, ganha força a candidatura do senador José Serra, que governou São Paulo entre 2007 e 2010. João Dória, Floriano Pesaro e Luiz Felipe d'Avila correm por fora.

"O Dória vai deixar a Prefeitura de São Paulo? Ainda não se sabe. O Serra é extremamente competente e os prefeitos têm um carinho imenso por ele, até por já ter sido governador", afirmou o coordenador regional do PSDB, Francisco de Assis Vieira Filho, o Chesco.

O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, conta com a simpatia dos prefeitos de São José e Campos do Jordão, Felicio Ramuth (PSDB) e Fred Guidoni (PSDB). Felicio, inclusive, conhece Pesaro desde a juventude. Ambos fazem parte da comunidade judaica.

NO MURO.

O prefeito de São José, entretanto, diz que ainda é cedo para analisar a sucessão no Palácio dos Bandeirantes.

"A partir de abril, teremos um cenário completo em relação às eleições estaduais e à presidência da República", afirmou.

"Todos os nomes apresentados até hoje como possíveis pré-candidatos poderão representar bem o PSDB, Doria, Floriano, Serra ou d'Ávila", completou Felicio.

Além dos nomes tucanos e de Márcio França, o cenário atual ainda tem outros possíveis candidatos em outubro: Paulo Skaf (MDB), Luiz Marinho (PT), Rodrigo Garcia (DEM), Carlos Giannazi (PSOL), Celso Russomano (PRB) e Alexandre Zeitune (Rede).

Em abril, França assume o governo com a saída de Alckmin, que deverá ser escolhido o candidato à presidência.

Luiz Marinho é o mais cotado para liderar oposição na corrida eleitoral de outubro

O presidente estadual do PT, Luiz Marinho, é o mais cotado a encabeçar a oposição na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.

O petista tenta quebrar a hegemonia tucana, que governa o Estado de São Paulo há mais de duas décadas. Marinho colhe apoio junto à militância, com coleta de assinaturas, para entrar na disputa..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO