São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Fevereiro 06, 2018 - 00:33

Crise corta 24,4 mil empregos na indústria da região, revela Ciesp

Indústria

Indústria

Foto: Divulgação

Apesar da queda na intensidade dos cortes, registrada em 2017, a tendência é de que este ano continue em baixa no setor, de acordo com a avaliação de especialistas. Desemprego no setor industrial tem 'efeito dominó' no Vale

Guilhermo [email protected]

Considerada um dos principais polos industriais do país, a RMVale perdeu 24.400 postos de trabalho com carteira assinada no setor nos últimos quatro anos, período da grave crise econômica que assola o Brasil, de acordo com o novo balanço divulgado pelo Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo).

Esse número supera a população de 23 das 39 cidades do Vale do Paraíba, além de praticamente equivaler à somatória do atual efetivo das grandes indústrias da área, como Volkswagen (são cerca de 4.500 operários), General Motors (5.000) e Embraer (16 mil funcionários na região) -- juntas, elas somam 25.500 postos de trabalho.

De acordo com o Ciesp, foram cortadas 4.800 vagas em 2014 e 12.050 no ano seguinte, além de 5.450 em 2016 e 2.100 no último ano nas indústrias do Vale.

Apesar dessa queda na intensidade, a tendência é de que a crise siga fechando empregos na indústria em 2018, segundo a avaliação do diretor geral do Ciesp de São José, César Augusto Teixera Andrade e Silva. "Está uma incógnita. Depende muito das reformas que estão vindo por aí. Ainda não dá para afirmar que a indústria vai crescer esse ano. A situação ainda é difícil", disse.

De 2014 a 2017, contando todos os setores econômicos, a RMVale perdeu 52 mil vagas, segundo as estatísticas do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Trabalho e Emprego.

"A indústria é o setor que paga melhores salários na região. Assim, a queda tem reflexo direto no comércio, serviço e até na construção civil", declarou o professor do Nupes da Unitau, Edson Trajano.

MAPA.

A RMVale é dividida em três regionais do Ciesp. A regional de Taubaté, que é composta por 28 cidades, é aquela que acumula o maior déficit no período da crise. Entre 2014 e o ano passado, foram cortadas na área 12.950 empregos no setor industrial.

Foram 550 em 2017, 1.900 no ano anterior, 8.500 em 2015 e o número de 2.550 em 2014.

Já a regional de Jacareí, que é composta por três cidades, tem saldo negativo de 3.000 empregos entre 2014 e 2017 -- perdeu 850 vagas em 2017, 800 no ano anterior, 1.800 no ápice da crise, no ano de 2015, e 400 em 2014.

Tendo oito cidades em sua área, a regional de São José acumula saldo negativo de 6.350 vagas. Em 2017, o déficit foi de 700 empregos, 2.750 em 2016, 1.750 em 2015 e 1.850 em 2014.

"O cenário é de queda de empregos menor, mas a comparação é ruim, pois em 2015 teve um corte muito grande. Em 2016, veio outro baque. Assim, não estamos melhorando, só piorando devagar", disse Trajano..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO