São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Fevereiro 07, 2018 - 01:45

Boeing quer controlar 90% de empresa com Embraer

Embraer. O anúncio fez com que as ações da fabricante disparassem nos EUA e no Brasil, aumentando até 30%.

Embraer. Empresa do Vale do Paraíba negocia parceria com a Boeing

Foto: Divulgação

Veículo especializado em economia informa que proposta da gigante norte-americana é controlar quase a totalidade das ações da empresa que seria criada após negócio fechado

Da redaçã[email protected]ale

A proposta feita pela Boeing de realizar uma fusão com a Embraer prevê que a companhia norte-americana controle até 90% da terceira empresa que seria criada na negociação.

A informação foi publicada no Valor Econômico, veículo especializado em economia, que divulgou a notícia nesta terça-feira. A proposta teria agradado o governo brasileiro por não envolver o setor militar da Embraer, o que a União insiste em manter sob controle nacional.

A ideia é que o plano seja apresentado aos acionistas da empresa com sede em São José dos Campos ainda neste primeiro semestre. A nova empresa formada com a fusão entre as duas gigantes do setor receberia toda a área de aviação comercial, tanto dos jatos regionais quanto os veículos executivos.

A Boeing controlaria de 80% a 90% desses negócios.

NEGÓCIOS.

Caso o negócio seja sacramentado, a Boeing pagará à Embraer o equivalente a até 90% de seu capital em dinheiro. De acordo com as informações apresentadas pela Valor, os americanos deixaram claro que ter o controle da nova empresa seria imprescindível.

As ações da Embaer iniciaram o dia em baixa, caindo para R$ 20,20. Ao longo desta terça, no entanto, o valor foi subindo cada vez mais, e o pré-fechamento indicava uma alta de 5,16%, a R$ 22.

Na última sexta-feira, a Embraer negou, por meio de nota, que o negócio já estivesse fechado, mas afirmou que as tratativas caminhavam.

O acordo criaria um criando um bloco entre EUA e Brasil para competir no mercado global de aviação.

A fusão seria uma forma de a Boeing, líder na fabricação de aviões comerciais ao lado do consórcio europeu Airbus, fazer frente à investida da concorrente no mercado de aviação regional..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO