São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Março 26, 2018 - 23:15

MAIS UM 'OLÉ' NA CÂMARA

Jogada que está sendo tramada no campo de jogo político quer, na surdina, dar um drible no eleitor e ampliar verba


E lá vem eles de novo, lá vem eles, chegaram de novo, virou passeio, olha que absurdo! É mais um gol da Alemanha. No dia em que o torcedor brasileiro, ansioso pelo início da Copa do Mundo da Rússia, vive a expectativa do reencontro entre a Seleção Brasileira e a equipe alemã, atual campeã e responsável pela mais vergonhosa derrota já imposta ao time verde e amarelo, o editorial de hoje refere-se a um outro jogo, disputado longe dos holofotes de um estádio de futebol, mas onde o placar parece estacionado em um eterno 7 a 1. E a jogada da vez está sendo tramada na surdina dentro da Câmara de São José dos Campos, esse já costumeiro palco de caneladas de representantes do Poder Legislativo. A Casa, já conhecida pelas aprovações de aumento para secretários, criação de cargos no estilo vapt-vupt, entre outras medidas pouco populares, assiste o movimento de um grupo formado por parlamentares que quer dar um chapéu nos eleitores e ampliar a verba de seus gabinetes. Querem ainda mais dinheiro?

A proposta, que divide a Câmara, prevê garantir aumento salarial para assessores lotados nos gabinetes, fintando assim toda a economia prevista no acordo firmado com o TCE (Tribunal de Contas do Estado). Atualmente, a cada sessão ordinária, o Legislativo paga o adicional de 20% do salário para os sete assessores de cada parlamentar. A partir do dia 2 de abril (por determinação do TCE, que apontou excedente), três deles terão esse benefício cortado. Com a nova jogada, que já está no forno da Casa, um grupo apresentaria então uma emenda ao novo projeto de reforma administrativa, aumentando o salário desses três assessores de cada gabinete, passando de R$ 3.300 para R$ 3.900 -- zerando a economia prevista.

A reportagem de OVALE apurou que os vereadores buscam entendimento para que todos assinem e o projeto seja aprovado por unanimidade, naquele estilo vapt-vupt, tão lamentável.

A jogada, no entanto, esbarrou em uma bola dividida: a eleição. Afinal, há parlamentares de olho na dura disputa que será travada nas urnas, em outubro. Eles vão subir ao campo para tentar uma troca de posição: sai o vereador e vira deputado. Mas, obviamente, para isso, não é aconselhado apoiar medidas impopulares.

Por isso, a proposta indecente encontra garida no grupelho que não lançará candidatura. Ou seja, na panelinha que não precisa jogar para a torcida.

OVALE, a exemplo do ocorrido ao longo de toda a sua história, mantém-se atento às jogadas armadas no campo político, feito zagueiro pronto a defender o interesse público, cumprindo o seu papel. Que é fazer jogo duro.

Por isso, é preciso que o eleitor mantenha-se vigilante, como os arqueiros que não deixam passar nada em sua meta.

'Lá vem eles de novo'. A jogada está sendo tramada. Querem dar um drible, um chapéu no eleitor e, com uma caneta, aplicar aquele já tradicional olé dos políticos na opinião pública. Vale lembrar: o eleitor é o técnico e juiz da partida. Segura nas mãos os cartões amarelo e vermelho. E mais: em outubro, terá a bola nos pés..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO