São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Maio 01, 2018 - 20:47

TRAGÉDIAS ANUNCIADAS

Além de ser o país do futebol e do samba, Brasil poderia ser conhecido globalmente por suas tragédias anunciadas


OBrasil é conhecido como o país do futebol, berço de craques como Pelé, Zico, Ronaldos, Rivaldo, Neymar, Garrincha, Didi, Romário, Sócrates, Gérson e tantos outros gênios da bola. E não é só. Mundo a fora o país é aclamado ainda como terra do samba e do Carnaval, sinônimos de alegria, festa, ginga e sensualidade. É verdade. No entanto, o Brasil também poderia ser reconhecido -- infelizmente -- como o país das tragédias anunciadas.

Algumas delas são marcantes, como por exemplo a tragédia de Mariana (MG), ocorrida no ano de 2015, que fez 19 vítimas fatais e, graças ao rompimento da barragem da Samarco, ocasionou o maior desastre ambiental brasileiro -- com danos irreparáveis à fauna e à flora da região. A precariedade das condições desta e de outras barragens já havia sido denunciada antes do colapso. E nada foi feito.

Outro exemplo recente e doloroso ocorreu na boate Kiss, que foi palco da morte de 242 jovens em janeiro de 2013, quando um incêndio teve início na casa noturna, depois do uso de um sinalizador em cima do palco. A tragédia, ocorrida em Santa Maria (RS), evidenciou a precariedade das condições de segurança dos estabelecimentos voltados para shows (ou a falta delas) e ainda a deficiência na fiscalização. E a situação já havia sido denunciada. Mas nada foi feito.

Em 2007, depois de inúmeras queixas feitas sobre as más condição da pista do aeroporto de Congonhas, um voo da TAM se envolveu em uma tragédia, com 187 mortes. Além do erro do piloto, a falta de infraestrutura no sistema aeroportuário brasileiro foi apontado como uma das causas. Depois do acidente, foi prometido investimento. Mas e por que não foi feito antes?

Outras tragédias anunciadas acontecem silenciosamente, já tornaram-se rotina, uma triste e revoltante rotina. Exemplo?

O desastre das chuvas, que -- todos os anos, sem trégua -- dá as caras em diversas regiões brasileiras, deixando o rastro de mortes, destruição e desabrigados. E a história se repete, com soterramentos e famílias carentes que perdem tudo. Será que ninguém sabe que vai chover?

O desabamento de um prédio de 26 andares na madrugada de ontem, após incêndio na capital paulista, é mais um triste exemplo. A prefeitura admite que há 70 outros edifícios em condições semelhantes. E o que foi feito?

No país do futebol, do samba e das tragédias anunciadas, a falta de gestão e a omissão das autoridades caminham de mãos dadas com o desastre, todos chorando sobre o leite já derramado..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO