São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Editorial
Junho 15, 2018 - 23:09

Oasis de credibilidade

Jornalismo é única arma capaz de combater as fake news e, assim, garantir a liberdade de pensamento e democracia


O jornalismo é um dos pilares da democracia, indispensável para a liberdade de pensamento e a construção de um mundo mais justo, igualitário e plural. O peso da produção jornalística de credibilidade ganhou ainda mais relevância com a praga das fake news, notícias falsas que buscam hackear a opinião pública, confundir ao invés de explicar, manipular e não informar.

Essas são algumas das questões debatidas por Carlos Alberto Di Franco, professor de Ética Jornalística, colunista de mídia e diretor do Departamento de Comunicação da ISE Business School, em São Paulo, em uma entrevista concedida a OVALE na edição deste fim de semana, publicada na página 21. O especialista é o novo colunista do jornal, com os leitores recebendo em primeira mão uma coluna prestigiada, publicada também em outros grandes jornais do país.

Controle da imprensa? Como as fake news vão interferir nas eleições de outubro no Brasil? Esses e outros temas pertinentes foram tema da entrevista.

"[A imprensa é] Absolutamente fundamental para a democracia. O que seria do país se não tivessem empresas de comunicação independentes, no meio desse cipoal de fake news e redes sociais que divulgam notícia pouco qualificada? O que faz o leitor ter norte é a qualidade desses veículos, com compromisso sério. Sem isso, a democracia entra em crise", afirmou o professor.

Repetindo o que houve na eleição presidencial norte-americana em 2016, que culminou com a vitória de Donald Trump, e ainda em outros pleitos, há expectativa de que as notícias falsas tenham um papel determinante no mês de outubro, quando os eleitores brasileiros se reencontrarão com as urnas. Até aqui, assim como ocorre com as insuficientes medidas anunciadas pelas redes sociais, como Facebook, para combate as fake news, a Justiça Eleitoral não apresentou ações capazes de parar essa praga.

"Acho que vai ter a presença na rede social, na eleição, mas não acredito que o assunto vai ser resolvido com multa, com o Poder Judiciário. A máquina administrativa no Brasil é abstrata. O que vai resolver é buscar a informação em sites e veículos qualificados. Procure confrontar as informações e terá segurança para tomar decisões", declarou Di Franco. Em meio ao deserto de credibilidade, o jornalismo isento é um indispensável oásis de independência e verdade. .

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO