São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Julho 05, 2018 - 09:29

Boeing e Embraer confirmam parceria de US$ 4,75 bilhões por nova empresa

Empresas confirmaram uma parceria "estratégica" para "impulsionar seu crescimento no mercado aeroespacial global"

Empresas confirmaram uma parceria "estratégica" para "impulsionar seu crescimento no mercado aeroespacial global"

Foto: Divulgação

Segundo as fabricantes, nova empresa será liderada por uma equipe de executivos sediada no Brasil, mas com controle operacional e de gestão da Boeing

Xandu [email protected]

Em comunicado conjunto divulgado na manhã desta quinta-feira, Boeing e Embraer confirmaram uma parceria “estratégica” para “impulsionar seu crescimento no mercado aeroespacial global”.

Como antecipou OVALE, as duas companhias formarão uma joint venture com liderança da Boeing, que terá 80% de participação com 20% da Embraer.

A nova empresa absorverá a aviação comercial da Embraer, incluindo seus negócios e serviços, avaliada em US$ 4,75 bilhões na transação. A Boeing pagará US$ 3,8 bilhões pelos 80% de participação na futura joint venture.

As companhias informaram que o acordo ainda está sujeito a aprovações regulatórias e de acionistas, incluindo a aprovação do governo brasileiro. A expectativa é que o negócio seja fechado até o final de 2019.

Consumada a transação, a joint venture será liderada por uma equipe de executivos sediada no Brasil, incluindo um presidente e CEO. A Boeing terá o controle operacional e de gestão da nova empresa, que responderá diretamente a Dennis Muilenburg, presidente, chairman e CEO da Boeing.

"Ao formarmos essa parceria estratégica, estaremos muito bem preparados para gerar valor significativo para os clientes, empregados e acionistas de ambas as empresas, e para o Brasil e os Estados Unidos", disse Muilenburg.

“Esse acordo com a Boeing criará a mais importante parceria estratégica da indústria aeroespacial, fortalecendo ambas as empresas e sua posição de liderança do mercado mundial”, afirmou Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO