São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Julho 03, 2018 - 23:00

Denúncia contra Maninho aponta esquema em cargos da prefeitura de São José

Maninho

Investigação. Comissão de Ética da Câmara Municipal apura o caso

Foto: /Divulgação

Inquérito aberto pelo Ministério Público para investigar vereador aponta existência de uso de cargos comissionados na prefeitura para abrigar assessores da base de Felicio Ramuth (PSDB)

Caíque Toledo e Thais [email protected]
São José dos Campos

As denúncias que integram o inquérito aberto pelo Ministério Público esse ano para investigar o vereador Maninho Cem Por Cento (PTB) apontam para a existência de um esquema de uso de cargos comissionados da prefeitura de São José dos Campos para abrigar assessores de parlamentares da base aliada de Felicio Ramuth (PSDB).

O pivô da denúncia, Reginaldo Pedrosa, é um dos exemplos. Indicado por Maninho, ele foi contratado pela prefeitura e relata, no entanto, que embora ocupasse um cargo no Executivo, era destacado diversas vezes para realizar atividades solicitadas pelo vereador, em pleno horário de expediente.

"O meu contrato era com a prefeitura, mas o serviço que eu prestava era para o vereador. Eu precisava ir, respondia a ele", conta o ex-assessor.

Reginaldo afirma que negociou o cargo diretamente com Maninho e que foi contratado pela prefeitura como Chefe de Manutenção no Poliesportivo do Jardim Cerejeiras. Segundo a denúncia, seu coordenador na prefeitura permitia as saídas. "Ele lavava as mãos sempre, não tinha nada a ver", diz o ex-assessor, demitido após 11 meses no cargo.

Em 2017, OVALE revelou que Maninho mantinha em seu gabinete um funcionário comissionado para atuar em seu empreendimento comercial. Ele é investigado pela Comissão de Ética da Câmara também por cobrar 'pedágio' de assessores, com base em reportagens do jornal.

VERSÕES.

Questionado, o governo Felicio falou de forma genérica, não citando o caso específico, mas disse que todas as contratações são feitas após análise dos currículos e que funcionários contratados não podem prestar serviços em outros órgãos. Enquanto isso, Maninho se limitou a dizer que as denúncias não procedem.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO