São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Julho 11, 2018 - 22:31

Governo Ortiz compara Parque Tecnológico com um 'cultivo'

Parque Tecnológico em Taubaté

Várzea. Área do Parque Tecnológico de Taubaté, no Distrito do Una

Foto: /Rogério Marques/OVALE

Inaugurado há dois anos, Parque Tecnológico não tem prédios e nem atividades até agora; questionada pela Câmara, gestão tucana disse que trata-se de 'um processo de preparar, semear, cultivar e colher' no futuro

Da redaçã[email protected]

Inaugurado há dois anos, o Parque Tecnológico de Taubaté, que não tem prédios e nem atividades até agora, foi comparado pelo governo Ortiz Junior (PSDB) a um "cultivo".

A afirmação foi feita pela gestão tucana à Câmara, em resposta a requerimento apresentado pela oposição.

Nessa resposta, Ortiz reproduziu as explicações apresentadas por Armando Adurens Neto, gestor do Grupo Agropecuário da Secretaria de Desenvolvimento e Inovação de Taubaté.

Segundo o gestor, a implantação do espaço consiste em "um processo de preparar, semear, cultivar e colher".

Sem citar uma previsão de quando o Parque Tecnológico terá alguma atividade, o governo Ortiz afirmou que "podemos dizer que preparamos e estamos semeando o futuro com um projeto sólido, para durar não esta geração, mas sim por gerações".

Na resposta, a gestão tucana informou que duas instituições de ensino - Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo) e Unitau (Universidade de Taubaté) - e quatro empresas (Latika, Texturize, Tremembé Indústrias Químicas e GTI Gases) manifestaram interesse em se instalar no espaço.

"Com uma economia bombando é fácil desenvolver um projeto, porém, com uma crise como estamos vivendo, é fator primordial olhar primeiro as demandas sociais", finaliza a resposta.

ATRASO.

O Parque Tecnológico foi prometido inicialmente pelo governo Ortiz para 2013. A unidade seria voltada para áreas como Engenharia Ferroviária, Engenharia Automotiva, Engenharia Aeronáutica (Asa Rotativa), Defesa Pública, Energia Verde, Engenharia Biomédica, Biotecnologia e Aplicações Médicas, Águas e Engenharia Química.

Em dezembro de 2014 foi realizado evento para lançamento do projeto, que custaria R$ 7 milhões. Em junho de 2016, em período pré-eleitoral, o tucano inaugurou o parque.

Nessa primeira fase, o investimento foi de R$ 3,98 milhões. Desse total, apenas R$ 300 mil saíram dos cofres da prefeitura, para serviços como placas de sinalização e também de identificação.

O restante foi investido por três empresas, como contrapartida por doações de área.

Desde 2016, quase nada andou. O restante das obras de infraestrutura no local, previstas para as fases dois e três do projeto, não tem sequer projeto executivo elaborado. Sem isso, a prefeitura não sabe, por exemplo, quanto precisará investir no espaço.

Dividida em 472 lotes, a área de 731.000 m² no Distrito Industrial do Una não tem nem estrutura de água e esgoto..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO