Logo Jornal OVALE

notícias

Se até a década de 1970, as crianças por aqui aprendiam a ler com Monteiro Lobato e seu Sítio do Picapau Amarelo; a partir dos anos 1980, Mauricio de Sousa - um dos ávidos leitores do escritor taubateano - tomou a frente na alfabetização com a Turma da Mônica. Anos depois, o sexto nome mais lembrado na literatura nacional se rende a uma homenagem àquele que assina o primeiro lugar nesse ranking: Sousa lança "Narizinho Arrebitado", pela editora Girassol, um livro em que a turma do bairro do Limoeiro visita o sítio. No título, Mônica, baixinha e gorducha, virou a boneca Emília; Magali é Narizinho; Cebolinha é Pedrinho; e Louco viverá Visconde de Sabugosa. "A Turma da Mônica deixou, um pouquinho, o bairro do Limoeiro e foi brincar e viver aventuras no Sítio do Picapau Amarelo. Foi o jeito que a turminha achou para homenagear o grande escritor Monteiro Lobato", escreveu Mauricio de Sousa em seu Instagram. "Tudo isso num lindo livro recheado de fantásticas ilustrações (...) para crianças de todas as idades", continuou. Domínio. A obra do desenhista vem de encontro ao fato do trabalho de Monteiro Lobato ter entrado em Domínio Público, em 1º de janeiro de 2019, conforme já noticiado pelo OVALE. Ou seja, editoras podem agora produzir edições sem a obrigação de pagar direitos autorais aos herdeiros. A expectativa é de que ocorra com Lobato, o mesmo que aconteceu com Saint-Exupéry, cujo trabalho, "O Pequeno Príncipe" virou febre em 2015. No lançamento de Mauricio de Sousa, a obra de Lobato foi adaptada por Regina Zilberman, especialista no autor. O livro deve chegar às livrarias nas próximas semanas. .  
Um evento em que todos saíram ganhando. Esse é o balanço mais honesto de "Mãos à Obra", projeto capitaneado pelo OVALE, em parceria com a galeria de arte Victor Hugo, de São José, com o objetivo de dar visibilidade aos artistas locais e ajudar o Gacc (Grupo de Assistência à Criança com Câncer). Nele, artistas se reuniram para produzir obras que, doadas ao Gacc, fizeram parte de um leilão beneficente. Foram ao todo 74 artistas que, juntos, conseguiram por meio de seus trabalhos arrecadarem R$ 49.260, segundo a plataforma leiloeira. Os acertos finais devem ocorrer na próxima semana e os valores serão repassados à instituição de saúde até o final deste mês. "'Mãos à Obra' comprovou a máxima de que a união faz a força. O projeto mobilizou dezenas de artistas em prol de uma boa causa. Foi uma linda notícia", disse o editor-chefe de OVALE, Guilhermo Codazzi. "O evento foi considerado um sucesso. Fiquei satisfeito com o envolvimento e o resultado final", afirmou Victor Hugo, proprietário da galeria. "O valor arrecadado no leilão das obras será todo aplicado para garantir os mais avançados tratamentos aos pacientes do SUS, que estão internados no hospital do Gacc", afirmou Rosemary Sanz, presidente da instituição. "Somente por meio dessas ações solidárias é que nós conseguimos atender todas as crianças e jovens dos SUS sem fila de espera, num espaço hospitalar de alta tecnologia, oferecendo os melhores protocolos de tratamento, com uma equipe médica e multiprofissional especializada, num ambiente humanizado e acolhedor", continuou. gratidão. Segundo a artista plástica Cristina Demétrio, uma das coordenadoras do projeto, artistas participantes também se mostraram satisfeitos com os resultados. "Foi muito especial porque divulgou nosso nome por toda a região de forma insistente. Criamos um grupo cordial em que pudemos trocar experiências entre nós e com artistas de outras regiões do país, que trocaram 'figurinhas' conosco. Com isso, ganhamos também novas portas abertas para mostrar o nosso ofício", afirmou ela. "O leilão foi também uma novidade para muitos de nós. E é recompensador saber que nosso trabalho foi admirado por pessoas que nem sabiam quem éramos nós", disse a artista. "E, claro, não podemos deixar de falar nos compradores, que não só ajudaram o Gacc, mas que hoje têm em casa a obra de arte que gostou"..  
"Humor e política andam lado a lado. O humor, aliás, é uma forma de chamar a atenção de pessoas que não se atentam tanto para a política", cravou Marvio Lucio, ou melhor, Carioca. "O humor pode ser crítico, pode protestar, pode ser irônico. Mas fato é: ele e política têm de coexistir", continuou ele. O humorista, que tem entre as suas imitações os hilários personagens Bolsonabo (uma referência ao Presidente da República Jair Bolsonaro) e Dilma du Cheff (ex-presidente Dilma Roussef), traz estas e outras interpretações a Jacareí nesta sexta-feira (18). No espetáculo "Más Companhias", que tem rodado o país, o ator promove um show diferente. Longe dos stand up comedy, Carioca promete fazer o público gargalhar com ele e suas criações no palco. Jô Suado (apresentador Jô Soares), Lelé Santos (cantor Lulu Santos), além de Pedro Paulo, Bóris, Pastor Cráudio e Didi Mais Cedo estão confirmados. "É um espetáculo vibrante e interativo", disse ele em entrevista exclusiva a OVALE. Bastidores. O humorista, que ganhou visibilidade nacional no elenco dos programas "Pânico na TV" (Rede TV!), "Pânico na Band" (Band), e, mais recentemente, "Video Show "(Globo), impressiona com sua capacidade de adaptação ao dar voz e características físicas a personalidades que imita. "Estou agora configurando mais três personagens, e é um trabalho pesado, difícil, de execução e afinação. Esse tipo de interpretação exige muita atenção e concentração até atingir a voz adequada, entre outros elementos", afirmou ele, que tem mais de 20 anos de carreira. É tanto tempo de estudo que raramente um personagem "invade" o outro em cena. "Como tenho figuras que interpreto há bastante tempo, todos estão muito 'fortes' em mim", contou ele, que por vezes termina o show cansado. "Já cheguei a fazer duas sessões no mesmo dia, mas às vezes encerro o espetáculo esgotado". Essa dedicação pode ser vista ainda no YouTube, no Canal do Carioca, com vídeos produzidos com um misto de tudo aquilo que o ator apresenta na televisão, mas com uma pitada extra de ousadia, permitida apenas na web. Serviço. "Más Companhias" está em cartaz nesta sexta-feira (18) em sessão única, às 21h, na sala Ariano Suassuna, no EducaMais Jacareí (av. Eng. Davi Monteiro Lino, 595). Os ingressos custam a partir de R$ 70. Assinantes do Clube OVALE tem 50% de desconto. A classificação é 16 anos..  
Um painel musical, visual e sonoro da cidade de São Paulo, entre 1830 e 1880, abordando suas ruas, seus edifícios e habitantes. Este é o CD-livro "São Paulo: paisagens sonoras (1830-1880)", da pesquisadora, cantora, musicóloga e mezzo-soprano Anna Maria Kieffer, lançado pelo Selo Sesc. Foram mais de duas décadas de pesquisa e coleta de material, realizando um árduo trabalho de garimpo acerca do cotidiano sonoro da cidade. Produzido pelo Selo Sesc, o álbum também chega às plataformas digitais de streaming no dia 18 deste mês. O CD reúne a música e os ruídos de São Paulo em meados do século 19 em um panorama eclético, que abrange de pregões de rua e cantigas tradicionais a obras de compositores como Carlos Gomes, André da Silva Gomes, Elias Álvares Lobo e os irmãos Alexandre e Luís Levy. O acordeonista Gabriel Levy, descendente direto da família participa do disco e do espetáculo. Os versos são de importantes poetas do romantismo brasileiro, como Castro Alves, Bernardo Guimarães e Álvares de Azevedo. A organização do disco em seis partes temáticas busca uma cronologia ascendente. O painel sonoro abrange a transformação da cidade a partir de um vilarejo de tropeiros, passando a importante centro de estudantes e chegando à beira da expansão industrial, urbanística e cultural que a caracterizará a partir da década de 1880. São abordadas cantigas de rua, pregões, cantos de trabalho, músicas compostas e executadas pelos estudantes do Curso Jurídico (atual Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo). Também são ressaltados os movimentos abolicionista e republicano, os modelos culturais trazidos pelos primeiros imigrantes europeus e a formação de clubes musicais que contribuíram para a maior internacionalização da prática musical no período. "Ao escutar o CD que temos em mãos, somos transplantados para outro tempo, numa jornada de conhecimento e fruição. São de fato sonoras as paisagens! Entre composições musicais populares, eruditas, profanas ou sacras, temos também sugestões de ruídos urbanos ou não tão urbanos, de uma natureza que se fazia ouvir", afirma Danilo Miranda, Diretor Regional do Sesc São Paulo.
Se fosse uma pessoa, a Galinha Pintadinha já poderia ser considerada uma “pré-adolescente”. Com 12 anos de trajetória, a personagem segue encantando o público infantil no Brasil com uma estratégia bem simples: estar presente na vida de pais e filhos tanto no ambiente digital quanto no mundo off-line. Fenômeno da internet desde sua criação, em 2006, a Galinha Pintadinha praticamente cresceu com o YouTube ao longo da década. Em 2018, alcançou mais de 19 bilhões de visualizações, em todos os canais oficiais da personagem, ainda figurando o YouTube Rewind 2018 em primeiro lugar na categoria "kids". Os canais oficiais na plataforma de vídeos em português possuem mais de 16 milhões de inscritos, consolidando-a como “artista” mais famosa no universo infantil para os brasileiros. Além disso, o ano também foi de expansão da personagem para canais off-line, aumentando a interação dela com os seus pequenos fãs. Somente em 2018, a Galinha esteve presente em oito eventos temáticos diferentes, circulando em shopping centers do país e também nos shows ao vivo, que passaram em várias cidades do Brasil, como a turnê “A Fabulosa Trupe da Galinha Pintadinha”, uma fantástica experiência que mescla iluminação, tecnologia e lindos bonecos dos personagens em uma aventura inédita, além das músicas de sucesso da marca. A estratégia da Galinha Pintadinha tem dado frutos, principalmente se levarmos em consideração a mudança no perfil de consumo de entretenimento ao longo destes 12 anos. Em 2006, os vídeos online estavam só começando e cresceram exponencialmente nos últimos anos, permitindo que novas e antigas telas coexistam para impactar o público. Seguindo este perfil multitelas, a Galinha Pintadinha aproveitou o ano para fechar parceria com a TV Cultura para transmissão de seu conteúdo na TV aberta e com o canal Nat Geo Kids para a TV fechada, além de estar presente em 15 serviços de streamings diferentes e seu próprio App com todas suas animações. Outra importante ação foi a criação do "Falando com a Galinha Pintadinha" para o Google Assistente, um assistente pessoal virtual que, através de um comando de voz, pode realizar várias tarefas do dia-a-dia como fazer ligações, mandar mensagens, etc. Agora, basta chamar "Falar com a Galinha Pintadinha" e a criança pode ouvir as músicas, brincar e falar diretamente com a Galinha. “O modo de consumir vídeos está mudando rapidamente com o avanço das tecnologias e são as crianças as principais impulsionadoras deste novo comportamento. As pessoas querem acessar seu conteúdo preferido na hora e no local que desejarem", conclui Miguel Moreira, gerente da Bromélia Produções.
Se o primeiro "Como Treinar seu Dragão" falou sobre amizade, com o jovem Soluço se aproximando de Banguela, o mais poderoso dragão de todos os tempos e salvando a sua vida; no segundo, tolerância é a mensagem, com Soluço lutando para proteger os dragões do perigoso Drago Bludvist. Agora, a terceira parte da animação dá sequência ao sonho do protagonista: arrumar um espaço onde as criaturas possam viver em paz. Uma das animações mais aguardadas do ano, "Como treinar seu dragão 3" chega nesta quinta-feira aos cinemas da região. Na trama, Soluço e Banguela descobrem um mundo escondido repleto de segredos. E é aí que o dragãozinho percebe que não está sozinho no mundo. Há uma companheira que é assim como ele, mas... Um tanto selvagem. "Ela e Banguela são de espécies parecidas, mas a Fúria da Luz tem habilidades diferentes", afirmou o diretor Dean DeBlois, durante a CCXP (Comic Con Experience), evento que ocorreu em São Paulo, em dezembro de 2018. Do outro lado, no entanto, está o vilão Grimmel que promete atrapalhar os planos da dupla. Seu desejo: matar todos os Fúrias da Noite - isso inclui Banguela, claro. E é por meio de uma estranha defesa do antagonista - de que os dragões são seres inferiores e merecem ser tratados com violência - é que a animação vai construindo a interação entre sociedade e criaturas. Afinal, humanos devem ou não interferir na vida dos dragões? Deixá-los livres para decidirem onde querem viver ou adaptar um espaço que julguemos ser adequado a eles? Na aventura, Soluço e Banguela contam com a ajuda de Astrid e da Fúria, por quem o dragão se apaixona perdidamente. E difíceis decisões estão no horizonte da turma. TECNOLOGIA. Ainda na CCXP, DeBlois comentou sobre o quanto a tecnologia mudou ao longo dos anos. "Se você comparar os dragões do primeiro filme e o de agora, há uma evolução muito grande", afirmou. "A tecnologia melhora a cada filme. 'Como treinar seu dragão' foi meu primeiro filme em computação gráfica e foi incrível porque teve tanto detalhe nos personagens e ambientes. Mas ainda tínhamos algumas limitações, por exemplo, era difícil fazer cabelo, água, nuvens... Hoje em dia podemos criar tudo o que a gente imagina. A tecnologia alcançou a nossa ambição". O filme original conta com vozes de Cate Blanchett, T.J. Miller, Gerard Butler, Kristen Wiig, Jonah Hill, Kit Harington, Jay Baruchel, Djimon Hounsou e America Ferrera..