Atraso

Prefeitura prorroga por mais dois meses contrato da obra da Linha Verde

Iniciada em abril de 2020, obra deveria ter sido concluída em outubro de 2021, mas deve ficar pronta apenas em março desse ano; custo já passou de R$ 55,832 milhões para R$ 69,548 milhões

Da Redação
13/01/2022 às 21:12.
Atualizado em 13/01/2022 às 21:12
Obras de terminal da Linha Verde no Jardim Paulista (Adenir Britto/PMSJC)

Obras de terminal da Linha Verde no Jardim Paulista (Adenir Britto/PMSJC)

A Prefeitura de São José dos Campos prorrogou por mais dois meses o contrato da obra da etapa inicial do projeto da Linha Verde – assim, o atraso será de, pelo menos, quatro meses.

Iniciada em abril de 2020, a obra deveria ter sido concluída até outubro de 2021, mas já sofreu duas prorrogações – cada uma por mais dois meses.

Clique e faça parte do nosso grupo no WhatsApp e receba matérias exclusivas. Fique bem informado! Acesse: https://bit.ly/ovale-agora-25

Segundo a Secretaria de Gestão Habitacional e Obras, o serviço deve ser concluído até o fim de março.

Nos primeiros 19 meses de trabalho, a obra avançou 69,13%. Isso representa o que foi feito entre os dias 30 de abril de 2020 e 29 de novembro de 2021.

Para justificar o atraso, a Prefeitura cita a demora para a emissão da licença de instalação pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e também as chuvas no período.

LINHA VERDE.

Essa primeira fase da obra tem início na Estrada do Imperador (região sul) e segue até o Terminal Intermunicipal (região central). O custo seria de R$ 55,832 milhões, mas já passou para R$ 69,548 milhões. Desse total, serão R$ 30 milhões de aporte do governo estadual. Na segunda fase das obras, que ainda não foi licitada, será criado o Anel Viário Leste, uma nova via que permitirá a interligação de toda a cidade ao Parque Tecnológico, sem a necessidade de uso da Via Dutra.

Somados todos os contratos, o custo da primeira fase da Linha Verde já chegou a R$ 183,2 milhões. Além da obra, R$ 60,9 milhões devem ser gastos com a desapropriação de áreas pertencentes à CTEEP (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista), que somam cerca de 400 mil metros quadrados. Os 12 VLPs (Veículos Leves sobre Pneus), encomendados à BYD do Brasil, custaram R$ 34,732 milhões, e serão pagos mais R$ 4,36 milhões à Nansen Instrumentos de Precisão pelos equipamentos que serão usados para recarregar as baterias dos veículos. Além disso, a Urbam (Urbanizadora Municipal), estatal controlada pela Prefeitura, receberá R$ 5,867 milhões para fazer a supervisão da obra e também a supervisão ambiental do projeto Linha Verde. O cálculo também inclui os R$ 7,8 milhões que serão pagos à KG2 Engenharia pelos 16 abrigos de passageiros que servirão como ponto de embarque e desembarque para os VLPs.

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALETodos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Desenvolvido por
Distribuido por