Partido

Após mudança em cenário, saída de Felicio do PSDB vira improvável, dizem aliados

Fato de Alckmin ter desistido de disputar o governo de SP e se aproximado de Lula alterou planos; ideia de prefeito era concorrer ao Palácio dos Bandeirantes como vice do ex-governador

Da Redação
07/01/2022 às 21:00.
Atualizado em 07/01/2022 às 21:00
Observado por João Doria, Felicio Ramuth discursa em evento em São José dos Campos (Douglas Cruz/OVALE)

Observado por João Doria, Felicio Ramuth discursa em evento em São José dos Campos (Douglas Cruz/OVALE)

Considerada como quase certa em 2021, a hipótese de o prefeito de São José dos Campos, Felicio Ramuth, deixar o PSDB em 2022 e ser candidato nas eleições desse ano passou a ser tida como improvável.

Essa é a avaliação feita por aliados do tucano no município e também por lideranças estaduais do PSDB que conversaram com a reportagem, sob a condição de anonimato.

Clique e faça parte do nosso grupo no WhatsApp e receba matérias exclusivas. Fique bem informado! Acesse: https://bit.ly/ovale-agora-24

O principal fator que levou a essa mudança foi a movimentação do ex-governador Geraldo Alckmin. No ano passado, o ‘plano A’ de Felicio era se filiar a outro partido e ser candidato a vice-governador em uma possível chapa com Alckmin, que também concorreria por outra legenda.

“Acho que não sou eu que estou saindo do PSDB, talvez é o PSDB que está saindo de mim, é alguma coisa desse gênero. Não tenho nenhuma decisão tomada, só que hoje é o meu maior momento de insatisfação em relação à política partidária do PSDB”, chegou a declarar Felicio em julho de 2021, em entrevista a OVALE.

Alckmin concretizou a saída do PSDB em dezembro, mas deve abdicar de disputar o Palácio dos Bandeirantes. E mais: hoje o caminho mais provável é que o ex-governador se filie ao PSB para ser candidato a vice-presidente em uma chapa com Lula (PT). Ou seja, o destino mais viável para Felicio fora do PSDB foi simplesmente riscado do mapa.

PRÉVIAS.

Outro fator importante tem relação com as prévias realizadas pelo PSDB em novembro para definir o candidato do partido à Presidência da República.

O diretório municipal do PSDB em São José apoiou publicamente o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que acabou derrotado pelo governador de São Paulo, João Doria.

Logo após o resultado, lideranças estaduais do PSDB – Doria, o vice-governador Rodrigo Garcia, que será o candidato ao Palácio dos Bandeirantes, e Marco Vinholi, que é o presidente estadual do partido – conversaram com Felicio e com o deputado federal Eduardo Cury para aparar as arestas.

Do lado estadual, a trégua é considerada importante dada a força do PSDB em São José dos Campos, que é a quinta cidade mais populosa de São Paulo. Uma debandada das lideranças joseenses enfraqueceria o partido em uma região estratégica para a legenda.

Do lado municipal, o cessar-fogo também foi bem recebido, já que, no cenário atual, as principais lideranças locais não enxergam nenhum benefício em deixar o PSDB – vale lembrar que o ‘plano A’ traçado em 2021 previa que Alckmin seria eleito governador por outro partido, e que essa sigla absorveria os tucanos descontentes.

No PSDB de São José, a avaliação interna é de que, caso insista em deixar o partido, Felicio fará o movimento sozinho, já que as demais lideranças consideram arriscado abrir mão da estrutura de uma legenda tão forte para embarcar em uma aventura.

Também pesa a favor da permanência das lideranças de São José no partido o fato de que Doria terá que deixar o Palácio dos Bandeirantes em abril para disputar a presidência. O governador é considerado de difícil trato. Já Rodrigo Garcia tem um perfil mais conciliador, que agrada mais a cúpula joseense.

PARTIDOS.

Em 2021, quando era maior a chance de deixar o PSDB, Felicio chegou a conversar com outros partidos. O prefeito até participou de pelo menos quatro reuniões em São Paulo com a presidente nacional do Podemos, a deputada federal Renata Abreu. No entanto, o diálogo não foi adiante.

Na última semana de 2021, houve uma sondagem sobre a possibilidade de Felicio ser candidato a governador pelo PSD. O partido apostava, anteriormente, no nome de Alckmin para concorrer ao Palácio dos Bandeirantes. Mas não houve um convite formal a Felicio e a possibilidade disso ocorrer ainda é vista no PSDB como improvável.

ENTREVISTA.

Ouvido na última semana por OVALE, Felicio afirmou que ainda não decidiu se deixará ou não o PSDB – e se será ou não candidato a algum cargo em 2022. “Ainda não existe nenhuma definição. Continuamos escutando as pessoas, falando com o diretório, para ver se faremos esse movimento ou se ficaremos no PSDB”, disse. “Eu conversei com vários partidos, para que a gente pudesse, primeiro, ver qual é o horizonte que esse grupo político poderia ter caso resolvesse sair do PSDB. As conversas continuam. Nada está confirmado, nem descartado. Tudo pode acontecer ao longo dos próximos meses”. Felicio disse ainda que, caso continue no PSDB, apoiará Doria à presidência. “Nessa busca dele pela candidatura à Presidência da República, o PSDB apoiará o candidato do PSDB”.

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALETodos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Desenvolvido por
Distribuido por